Subvenções regionais

África subsariana, 2015

NOTA: Este convite das propostas está agora fechada

Subvenções regionais no âmbito do programa BID procuram estabelecer ou reforçar as colaborações internacionais para aumentar os dados de biodiversidade relevantes para prioridades de conservação da biodiversidade.

Processo de submissão de candidaturas

O prazo para a apresentação de proporstas de África Subsariana foi de 20 novembro de 2015. GBIF e do painel de avaliação da proposta forneceram feedback e recomendações aos candidatos convidados a preparar propostas completas.

As candidaturas devem ser apresentadas em inglês utilizando o modelo adequado.

Por favor, note que as aplicações recebidas com atraso ou incompletos não serão tidos em conta pela painel de avaliação.

Objetivos

Os objetivos específicos das subvenções regionais de mobilização de dados de biodiversidade são:

  • Estabelecer ou reforçar as colaborações internacionais para mobilizar dados de biodiversidade
  • Aumentar os dados de biodiversidade disponíveis, no e para além do período de subvenção
  • Aplicar os dados de biodiversidade para responder a prioridades de conservação

O programa geral de BID tem como alvo dois resultados principais:

  1. Aumento da capacidade de mobilização efetiva e uso da informação sobre biodiversidade.
  2. Aumento da disponibilidade de recursos de informação e orientação sobre boas práticas para a mobilização e aplicação da informação sobre biodiversidade às principais necessidades políticas.

Critérios de avaliação

As propostas serão avaliadas mediante os critérios seguintes:

  1. Alinhamento do projeto com os objetivos e prioridades do programa BID.
  2. Alinhamento do projeto com necessidades claramente definidas de informação sobre a biodiversidade e com o desenvolvimento de capacidades na proposta.
  3. As contribuições complementares do projeto para as necessidades de dados regionais, incluindo as definidas na declaração "Africa Rising" e no plano de ação.
  4. Sucesso demonstrado e experiência prévia na realização de projetos semelhantes.
  5. Possibilidade de o projeto fornecer exemplos de boas práticas na aplicação da informação sobre a biodiversidade na tomada de decisões.
  6. A quantidade, qualidade e relevância dos dados de biodiversidade propostos para mobilização, sendo dada preferência aos projetos que mobilizem dados de biodiversidade associados a áreas protegidas, espécies ameaçadas e espécies exóticas invasoras.
  7. Poder dos planos para desenvolver e manter a capacidade institucional após as ações do projeto.
  8. Nível de apoio institucional e relação qualidade/preço das ações propostas; o equilíbrio entre o nível de financiamento solicitado ao programa BID e o co-financiamento contribuído pelos parceiros do consórcio.
  9. Valor previsto dos resultados do projeto, tanto no contexto nacional, como regional e na comunidade GBIF mais vasta.
  10. Escolha e complementaridade dos parceiros do consórcio.
  11. A qualidade da conceção do projeto e a avaliação de risco; a monitorização e os planos de avaliação serão avaliados nas propostas completas.

Duração do projeto

Os projetos selecionados podem iniciar as suas atividades em junho de 2016, com as atividades do projeto a continuar durante, no máximo, dois anos (terminando em junho de 2018) e com um período final de seis meses de relatório e avaliação (terminando em dezembro de 2018).Todos os projetos devem terminar a 31 de dezembro de 2018.

Financiamento disponível

São exigidos pelo menos três parceiros no consórcio, cada qual de uma nação "ACP" africana diferente. Cada parceiro pode receber até €20.000 e um coordenador de consórcio pode receber até €10.000 em financiamento adicional para coordenar as atividades dos parceiros. No decurso do programa BID, o máximo total de financiamento do projeto que qualquer candidato único pode receber é de €60.000.

Tipos de atividade de subvenção regional

As subvenções regionais devem incluir atividades que contribuam para cada uma das três categorias componentes. Cada categoria apresentada abaixo inclui uma lista não exclusiva dos tipos possíveis de atividade:

  1. Estabelecer ou reforçar redes para apoiar a mobilização de dados e a partilha interinstitucional de dados a longo prazo:
  2. Avaliar as detenções de dados de biodiversidade e as necessidades dos utilizadores, através de um inquérito ou estudo para desenvolver uma estratégia para o consórcio.
  3. Organizar workshops regionais para promover a colaboração interinstitucional.
  4. Formalizar parcerias através de acordos institucionais, políticas de partilha de dados e o aval público de estratégias de mobilização.
  5. Adotar um processo de publicação de dados, incluindo possivelmente a instalação de ferramentas informáticas de publicação de dados (ex.: Ferramenta Integrada de Publicação (IPT) do GBIF (em ingles)).
  6. Dar formação aos gestores de dados e pessoal das coleções nas principais instituições detentoras de dados sobre a mobilização e gestão de dados, como por exemplo através de workshops para partilhar o conhecimento obtido através da frequência dos dois workshops de aumento da capacidade do programa BID.
  7. Atividades para mobilizar dados de biodiversidade relevantes para áreas protegidas, espécies exóticas invasoras e/ou espécies ameaçadas:
  8. Compilar inventários de detenções de dados de biodiversidade (por exemplo, implementar catálogos de metadados).
  9. Digitalizar e publicar coleções de história natural e informação sobre biodiversidade a partir da literatura.
  10. Mobilizar a ocorrência de espécies e os dados baseados em amostragem a partir de redes de observação e sistemas de monitorização, tais como espécies exóticas invasoras, espécies na Lista Vermelha e espécies endémicas.
  11. Validar e publicar checklists regionais, nacionais e locais de espécies, lista de espécies exóticas invasoras ou listas de espécies ameaçadas.
  12. Preparar artigos de dados para melhorar a reutilizabilidade dos dados de biodiversidade mobilizados.
  13. Integrar informação sobre biodiversidade nos processos de criação de políticas e de tomada de decisões:
  14. Levar a cabo inquéritos ou workshops para compreender os requisitos dos dados de biodiversidade para casos de utilização específica.
  15. Definir grupos de utilizadores para orientar a implementação de projetos sobre temas prioritários identificados, tais como agrobiodiversidade, biodiversidade urbana e áreas protegidas.
  16. Dirigir workshops e ações de divulgação que promovam a utilização de dados abertos acessíveis, como por exemplo nos relatórios de biodiversidade ao nível nacional.
  17. Organizar workshops sobre técnicas de análise de dados.
  18. Aplicar dados de biodiversidade em processos de tomada de decisão.
  19. Documentar casos de utilização e partilhá-los com parceiros na região.
Flag of the European Union

Este programa é financiado pela União Europeia